A procuradoria do estado pede 2 anos e um dia de prisão, 9 anos de desativação para exercer cargos públicos e 4.800 € multa para cada um dos músicos do grupo La Insurgencia por um suposto delito de “enaltecimento do terrorismo” por canções reivindicativas, “de denúncia social de jovens que manifestamos com o hip-hop a raiva de uma geração a que roubaram o futuro”, denunciam os músicos, na sua conta do Facebook.

Resultado de imagem para la insurgencia hip hop

NOTA DOS MÚSICOS DE LA INSURRECCIÓN

Os 12 músicos acusados pelas nossas canções no coletivo La insurgencia fomos citados para julgamento nos dias 2 e 3 DE NOVEMBRO NA AUDIÊNCIA NACIONAL DE MADRID.

Como dissemos anteriormente, a acusação pede contra nós 2 anos e um dia de prisão, 9 anos de desativação para exercer cargos públicos e 4.800 € de multa para cada um.

O crime? Enaltecimento do terrorismo pelas nossas canções reivindicativas, canções de denúncia social de jovens que manifestamos com o Hip-Hop a raiva de uma geração que lhe roubaram o futuro.

Como vemos, em especial, nas últimas semanas, o estado espanhol continua a aumentar a sua dinâmica repressiva, que se prolonga há anos contra organizações, artistas e militantes contrários ao sistema.

A entrada na prisão dos líderes da ANC e da Òmnium Cultural, organizações que apoiaram a realização do referendo de autodeterminação catalã, não faz mais do que aumentar a lista dos presos pelas suas ideias e a sua militância na Espanha. A repressão que se assanhou e asssanha estes dias com os catalães que exigem um direito tão básico como o voto, é a mesma repressão que têm sofrido numerosos grupos, povos, organizações, artistas e activistas desde o franquismo e a falsa transição.

Actualmente, nas prisões espanholas, continuam a existir presos políticos, desde militantes comunistas a quem lhes são atribuídos crimes falsos até rapazes que sofreram montagens policiais: militantes do PCR (R), de partidos e organizações independentistas, Alfon… também existe e tem havido milhares de acusados pelo seu ativismo ou pela sua arte: os marionetistas, twiteiros perseguidos na Operação Aranha, músicos como Valtonyc, Pablo Hasel, Ciniko, Ajax e Prok, e um grande número de pessoas que foram vistos em tribunal por crimes de opinião .

Porque consideramos que eles, assim como agora nós, estamos nesta situação por opinar, por expressar ideias contrárias ao sistema vigente, por mostrar um desacordo com a ordem estabelecida e por denunciar precisamente injustiças como a que agora vivemos nas nossas carnes.

A repressão persegue a dissidência e a solidariedade, por isso justamente, e agora mais do que nunca, chamamos à solidariedade e a unidade face a estes golpes contra artistas, militantes, ativistas, jornalistas, twiteiros, manifestantes... porque somente a solidariedade pode arrancar uma absolvição, só o ruído na rua e a difusão destas injustiças pode fazer com que o estado pense duas vezes na próxima vez, que lhe saia muito cara a repressão indiscriminada aos sectores populares.

Exigimos a nossa imediata absolvição, mas, acima de tudo, pomos sobre a mesa uma solução de fundo para o problema de tantos: uma amnistia total que tire da prisão os presos políticos, que absolva os acusados por crimes políticos e o mais importante, a derrogação das leis repressivas (leis que estão tanto no Código Penal como na mais recente Lei da Mordaça) que garanta que ninguém mais possa ser visto em situações semelhantes por estes motivos.

Absolvição La Insurgencia e amnistia total!

Fonte: La Insurgencia