As novas tecnologias de controlo e identificaçom estám a modificar a sociedade. A implantaçom massiva dos GPS, os RFID, a telefonia móbel, ou a internet, está a diluir para sempre a privacidade dos indivíduos, nomeadamente de aqueles que tenhem pouco vencelho com o poder económico ou com o Estado de Direito. Está-se a configurar um totalitarismo electrónico sem precedentes, imposto de acima a baixo, do sistema já existente sobre toda a populaçom, um sistema controlad o hoje por umha minoria exígua vencelhada ao poder financeiro, capaz de manipular a mecánica dos partidos políticos, dos grandes meios de comunicaçom e, o que é pior, mudar a legislaçom e utilizar o próprio aparelho do Estado de Direito. Um sistema que o autor chama “a Tirania Bancária”. Umha tirania disfarçada de democracia que oculta a exploraçom abusiva do trabalho dos indivíduos e do mais valor generado polo avanço tecnológico.

O autor advoga pola necessidade urgente de estabelecermos umha espécie de “fascismo inverso”, um controlo absoluto da privacidade dos indivíduos que constituem o próprio Estado de Direito, em funçom da sua importáncia na pirámide do poder. Umha detalhada Folha de Rota para estabelecer um controlo também totalitário, mediante mecanismos de democracia directa e a utilizaçom de novas tecnologias, mas construído nesta vez por baixo e cara acima, dos cidadaos até o cimo do poder, e que permita o registo da privacidade e o seguimento electrónico sistemático das relaçons dos políticos e dos funcionários do Estado com os aparelhos do poder financeiro, do poder mediático e com os grandes monopólios industriais e comerciais das multinacionais. Controlar os controladores. Um livro subversivo para o sistema e também para as conviçons mais íntimas do leitor, baseado num conhecimento profundo da tecnologia futura ou a economia, e explicado de maneira directa e amena.

Apresentaçom do livro Totalitarismo Tecnologico Version 2.0. Por qué el avance tecnológico y la crisis financiera nos lleva inevitablemente al totalitarismo (José María de Espona). Tirado de kriptopolis. Traduçom de galizalivre.