No hay derechos

JAUME ASENS E GERARDO PISARELLO

No hay derechos

A legalidade atual, enriquecida com tratados, constituições e cartas que reconhecem direitos humanos e princípios garantistas, entranha limites e controlos aos poderes de todo o tipo, públicos e privados, de Estado e de mercado.


Um apelo às armas da codificação

INTRODUÇÃO A CIPHERPUNKS

Um apelo às armas da codificação

Este livro não é um manifesto. Não há tempo para isso. Este livro é uma advertência.

O mundo não está a deslizar, mas sim a galopar para uma nova distopia transnacional. Esta evolução não foi adequadamente reconhecida fora de círculos da segurança nacional. Ela tem sido escondida pelo segredo, complexidade e escala. A Internet, nossa maior ferramenta de emancipação, foi transformada no mais perigoso facilitador de totalitarismo que alguma vez já vimos. A Internet é uma ameaça à civilização humana.