ELEMENTOS DAS FORÇAS POLICIAIS EM PORTUGAL

“Ideias racistas, tatuagens neonazis, pertença a grupos assumidamente racistas”

“Ideias racistas, tatuagens neonazis, pertença a grupos assumidamente racistas”

“qualquer indício de racismo ou xenofobia deveria ter efeito de exclusão imediata do candidato”, ao contrário do que acontece atualmente, com “elementos das várias forças de segurança que exteriorizam as suas ideias racistas e xenófobas, usam tatuagens e simbologias ‘neonazis’, pertencem a grupos assumidamente racistas. […] Isto é do conhecimento de todos e infelizmente as organizações nada fazem para expurgar estes tumores do seio das forças de segurança”


Ler mais...

DIREITO DE CONDUÇÃO E FIM DO SISTEMA DE TUTELA MASCULINA

Ativistas pelos direitos das mulheres detidas na Arábia Saudita

Ativistas pelos direitos das mulheres detidas na Arábia Saudita

A organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) denunciou em comunicado a detenção de sete ativistas pelos direitos das mulheres na Arábia Saudita desde dia 15 de maio. As sete mulheres são ativistas pela igualdade de direitos e há muito que defendiam o direito de condução e o fim do sistema de tutela masculina que dá aos homens o controlo completo da vida das mulheres. O motivo das detenções ainda não foi revelado.


Ler mais...

INJUSTIFICADA E IRREGULAR

BRIGA informa de intervençom policial contra um militante da sua organizaçom

BRIGA informa de intervençom policial contra um militante da sua organizaçom

A organizaçom juvenil BRIGA informa da estranha intervençom policial a que foi submetido um dos seus militantes. Abordado por dous agentes à paisana na noite do 3 de maio quando voltava a casa, foi identificado e inspecionado, e o mesmo umha pessoa que o acompanhava. Posteriormente, sen daren razom algunha, os agentes confiscarom material formativo e pessoal que o ativista levava na mochila, apesar de ele nom autorizar o confisco.


Ler mais...

LANZA O COLECTIVO DEREITOS CIVIS

Recollida de fondos para recorrer sanción a siareiro multado por exhibir estreleira

Recollida de fondos para recorrer sanción a siareiro multado por exhibir estreleira

O colectivo Dereitos Civis lanza unha campaña para arrecadar 500€ que serán destinados a recorrer a sanción imposta a un siareiro do Ponteveddra que exhibiu unha estreleira no estadio do Pasarón. Os funcionarios policiais afirmaron que a exhibición da bandeira provocara unha reacción negativa no equipo contrário, o Rácing de Ferrol. No entanto, seareiros deste equipo manifestaron que iso non era verdade e cualificaron a sanción de represión


Ler mais...

ACAMPADA CONTRA A POBREZA:

Juan: “Sacáronme a golpes moitas veces, mais voltarei á praza”

Juan: “Sacáronme a golpes moitas veces, mais voltarei á praza”

Juan leva 1 ano e 3 meses acampado na Praza do Rei en defensa dos dereitos das persoas que dormen á intemperie nas rúas de Vigo. Agarda unha reunión co alcalde a escasos metros do Concello. Onte, foi detido e liberado horas por levantar unha tenda. Unha semana antes, os policías levaran outra alegando que non podían ter máis de sete tendas no seu espazo, así que pensou construír unha máis grande para non incumprir a norma. Por este feito foi detido.


Ler mais...

POLONIA E O ESPAÑOL OS ÚNICOS ESTADOS DE TODA A UE

Freemuse: O Reino de España vulnera a liberdade de expresión artística

Freemuse: O Reino de España vulnera a liberdade de expresión artística

O español é un dos estados que vulnera a liberdade de expresión artística, afirma a organización Freemuse, con sede na Dinamarca, no seu relatorio anual sobre o estado da liberdade artística, que recolle casos de 17 países en que a arte foi perseguida ou censurada. Con Polonia, é o único estado da UE que aparece na listaxe. Outros son Rusia, Irán, China, Cuba, Israel, Venezuela, a India, Turquía, Nixeria, Malaisia, o Paquistán, o Marrocos e Bangla Des. e os EUA.


Ler mais...

TAXA DE MULHERES ESTRANGEIRAS EM PRISÃO PREVENTIVA: 41,5%

Deter imigrantes em Portugal: quebrar o silêncio

Deter imigrantes em Portugal: quebrar o silêncio

Em Portugal, a prática de confinar as pessoas devido ao seu estatuto migratório é relativamente recente. Remonta a 2006 a abertura do primeiro centro de detenção –denominado Unidade Habitacional de Santo António (UHSA) –, na cidade do Porto. Desde então, outros cincos Centros de Instalação Temporária (CIT) foram abertos dentro dos principais aeroportos nacionais, nomeadamente Porto, Lisboa, Faro, Funchal e Ponta Delgada.


Ler mais...

CÁMARAS EN FUNCIONAMENTO DESDE O ANO 2011

Ninguén responde polas gravacións irregulares da Asociación de Empresarios en Arzúa

Ninguén responde polas gravacións irregulares da Asociación de Empresarios en Arzúa

O colectivo Dereitos Civís informa que en febreiro de 2017 denunciou a instalación ilegal de videocámaras de vixilancia no Polígono do Concello de Arzúa, en funcionamento desde 2011. En xaneiro deste ano a Axencia Española de Protección de Datos arquivou a denuncia, despois de a Asociación de Empresarios ter afirmado que apagara as cámaras. Mais nada di sobre o feito de as cámaras teren estado gravando de forma continuada desde 2011.


Ler mais...

CONFINADO HÁ QUASE SEIS ANOS E AGORA INCOMUNICADO

Ex-presidente do Equador qualifica como “tortura” o tratamento de Julian Assange

Ex-presidente do Equador qualifica como “tortura” o tratamento de Julian Assange

Rafael Correa disse, em entrevista exclusiva ao The Intercept na quarta-feira, que a decisão do atual governo de seu país de impedir que Julian Assange receba visitas na embaixada equatoriana em Londres é uma forma de “tortura” e uma violação da obrigação de proteger a sua segurança e bem-estar. Correa disse que isso ocorre num contexto em que o Equador não mantém mais “relações normais e soberanas com o governo americano – somente submissão”.


Ler mais...

EN DESTAQUE

  • Anatomía da desobediencia

    Determinados partidos políticos, xuíces e medios acusan de practicaren a violencia líderes independentistas e sociais así como os CDR. Diante deste intento de criminalización repasamos diferentes métodos non violentos que foron empregados ao longo da historia.

OPINIÓN