You are hereA injustiça contra Julian Assange tem de terminar. Três anos depois

A injustiça contra Julian Assange tem de terminar. Três anos depois


24/06/2015

No dia 19 de Abril fizeram três anos que Julian Assange, fundador e editor da WikiLeaks, se refugiou na embaixada equatoriana em Londres. A questão chave neste extraordinário encarceramento é justiça. Ele foi não foi acusado de qualquer crime. O primeiro promotor sueco afastou as alegações de má conduta para com duas mulheres em Estocolmo, em 2010.

As acções do segundo promotor sueco foram e são comprovadamente políticas. Até recentemente, ela recusava-se a vir a Londres para entrevistar Assange – a seguir disse que estava para vir e depois cancelou o seu compromisso.

É uma farsa, mas uma farsa com sinistras consequências para Assange caso ousasse por os pés fora da embaixada equatoriana. A investigação criminal dos EUA contra ele e conta a WikiLeaks – pelo "crime" de exercer um direito consagrado na Constituição dos EUA, contar verdades desagradáveis – é "sem precedentes quanto à escala e à natureza", de acordo com documentos estado-unidenses. Por causa disto, ele enfrenta grande parte da sua vida no buraco infernal de um presídio de máxima segurança dos EUA caso deixe a protecção do Equador em Londres.

As alegações suecas não são mais do que um espectáculo secundário em tudo isto – as mensagens SMS entre as mulheres envolvidas, lidas por juristas, só por si o ilibariam. Elas referem-se às acusações como "cozinhadas" pela polícia. No relatório da polícia uma das mulheres diz que foi "atropelada" ("railroaded") pela polícia sueca. O que é uma desgraça para o sistema judicial da Suécia.

Julian Assange é um refugiado sob o direito internacional e o governo britânico deveria dar-lhe o direito de passagem para fora do Reino Unido, para o Equador. O absurdo acerca dele "escapar sob fiança" é simplesmente isso – um absurdo. Se o seu caso de extradição tramitasse nos tribunais britânicos de hoje, o Mandato Europeu de Prisão (European Arrest Warrant) seria jogado fora e ele seria um homem livre. Então o que tenta o governo britânico provar com o seu absurdo cordão policial em torno de uma embaixada cujo refugiado Assange não tem intenção de abandonar? Por que não o deixam ir?

Por que um homem não acusado de qualquer crime tem de passar três anos numa sala, sem luz, no coração de Londres? O caso Assange amplia muitas verdades e uma delas é o crescente totalitarismo global de Washington, pouco importando quem seja eleito presidente. Muitas vezes perguntam-me se penso que Assange tenha sido "esquecido". Na minha experiência, incontáveis pessoas de todo o mundo, especialmente na Austrália, sua pátria, entendem perfeitamente bem a injustiça que está a ser cometida contra Julian Assange. Eles reconhecem a ele e à WikiLeaks ter desempenhado um serviço público grandioso ao informar milhões acerca do que os poderosos lhes planeiam por trás das suas costas, as mentiras dos governos e seus interesses escusos, a violência que eles iniciam. Os poderosos e os corruptos abominam isto, porque é a verdadeira democracia em acção.
19/Junho/2015
O original encontra-se em johnpilger.com

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

Etiquetas