CON ANTECEDENTES NA CHINA E A TURQUÍA

A gran batida informática do 1-O. A primeira ciberguerra da UE

A gran batida informática do 1-O. A primeira ciberguerra da UE

Din que o pasado 1 de Outubro comezou a primeira Ciberguerra da Unión Europea. Non é desatinado. Non porque Anonymous respondese con ataques á actuación do goberno. O goberno cualificou a ocupación por parte da Garda Civil do Centro de Telecomunicacións e Tecnoloxía da Información (CTTI) da Generalitat de “golpe decisivo” contra o referendo, porque desarticulaba a posibilidade dun voto telemático. Non foi o único golpe que tivo lugar pensando na Rede.

Ler mais...

PRESAS 22 PESSOAS POR ERGUEREM BANDEIRA ARCO-ÍRIS

Grupo de rock libanês denuncia repressão de jovens homossexuais no Egito

Grupo de rock libanês denuncia repressão de jovens homossexuais no Egito

O grupo Mashrou’ Leila denunciou a “tirania” das autoridades egípcias e a “caça às bruxas” que prendeu 22 pessoas que ergueram a bandeira arco-íris da comunidade LGBT num concerto no Cairo. As pessoas foram identificadas através de imagens, consideradas “obscenas” por parte de muitos dirigentes religiosos e políticos, o que motivou a abertura de uma investigação da magistratura. foram tomadas no concerto do grupo.

Ler mais...

PERSONALIDADES PORTUGUESAS ASSINAM MANIFESTO

Democracia e Liberdade estão em causa na Catalunha, alertam 100 intelectuais

Democracia e Liberdade estão em causa na Catalunha, alertam 100 intelectuais

Mais de 100 personalidades da cultura, da academia, dos movimentos sociais e da política denunciam a repressão das autoridades espanholas na Catalunha, apelam a uma solução política negociada e alertam: “o que está hoje em causa na Catalunha é a democracia e a liberdade”. Segundo o Expresso, o manifesto é uma iniciativa dos historiadores Manuel Loff e Fernando Rosas. Assinam personalidades independentes e de diversos partidos.

Ler mais...

AFIRMA MISIÓN INTERNACIONAL DE OBSERVACIÓN DO REFERENDO

Represión policial do 1-o “non ten lugar en democracias consolidadas”

Represión policial do 1-o “non ten lugar en democracias consolidadas”

A misión de observadores internacionais do referendo de Catalunya fixo público un relatorio preliminar sobre o 1-O en que defende que o uso da forza da policía española “non ten cabimento en democracias consolidadas” e consta, dadas as condicións da xornada de votación, a “determinación dos cidadás para votar”. O grupo de observadores “condena firmemente a violencia que se saldou con centenares de persoas feridas”.

Ler mais...

ALTO COMISARIO DA ONU PARA AS PERSOAS REFUXIADAS

“Aumenta número de persoas refuxiadas e diminúen lugares de asilo”

“Aumenta número de persoas refuxiadas e diminúen lugares de asilo”

Máis de dous millóns de persoas que foxen das guerras ou a persecución uníronse este ano ao enorme continxente de refuxiadas. A resposta internacional foi a posta en marcha de políticas máis restritivas, sobre todo en Europa e os Estados Unidos, di o Alto Comisionado das Nacións Unidas para os Refuxiados, Filippo Grandi, durante a súa intervención na 68 Sesión do Comité Executivo de ACNUR que se celebra en Xenebra (2-6 de outubro).

Ler mais...

PRÁTICA DENUNCIADA POLA ONU E PERMITIDA POLA LEI MORDAZA

Estrasburgo: nova condena ao Reino de España por devolucións en quente en Melilla

Estrasburgo: nova condena ao Reino de España por devolucións en quente en Melilla

O Tribunal Europeo dos DDHH condena o Reino de España por expulsar en quente 2 inmigrantes no valado de Melilla sen os identificar, unha expulsión contraria ao Convenio Europeo de DDHH. O fallo conclúe que o Reino de España tamén vulnerou o dereito a un recurso efectivo. O 13/08/2014 os inmigrantes foron alxemados e entregados ás autoridades marroquinas “contra a súa vontade” e “sen ningunha medida administrativa ou xudicial previa”.

Ler mais...

REPORTEIROS SEN FRONTEIRAS

“Respaldo e solidariedade” co/as profesionais de TVE que denuncian manipulación do 1-O

“Respaldo e solidariedade” co/as profesionais de TVE que denuncian manipulación do 1-O

Reporteiros Sen Fronteiras manifesta “o seu total respaldo e solidariedade” co-as xornalistas de TVE na súa protesta contra a manipulación informativa do pasado 1-O. A través dun comunicado, a organización mostra o seu apoio ante a situación vivida no canal público, marcada nas últimas horas pola concentración diante da mesa de edición de Torrespaña, onde a/os profesionais do ente exibiron carteis coas palabras “verguenza” e “vergonya”.

Ler mais...

ALTO COMISSÁRIO DA ONU PARA OS DIREITOS HUMANOS

ONU pede investigação independente à violência policial na Catalunha

ONU pede investigação independente à violência policial na Catalunha

Em comunicado, o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos diz-se “muito incomodado pela violência na Catalunha no domingo”. E pede a Rajoy que “aceite sem demoras” os pedidos da ONU para a visita dos seus peritos em direitos humanos. Apelou esta segunda-feira às autoridades espanholas para assegurarem uma “investigação aprofundada, independente e imparcial a todos os atos de violência” cometidos em nome do Estado contra a população catalã.

Ler mais...

14 PERSOAS FERIDAS EN ATAQUE DE AXENTES Á PAISANA

Hoteis de Calella expulsan os 500 policías e gardas civis que tiñan aloxados

Hoteis de Calella expulsan os 500 policías e gardas civis que tiñan aloxados

Diversos hoteis de Calella (Maresme), entre eles o Palmeres, o Catalonia e o Vila, instaron os 500 axentes da Policia Nacional e a Garda Civil aloxados nas súas instalacións a as abandonaren despois da violencia desatada contra o referendo. Fontes policiais indicaron a EFE que no caso da Policía Nacional son 250 os axentes antidisturbios que terán que procurar outro aloxamento en canto se mantiver o dispositivo despregado na Catalunya.

Ler mais...

EN DESTAQUE

  • “Por favor, contade o que pasa aquí”. Esculcando no referendo catalán

    O día comeza cunha visita ao Centre d’Ensenyament, onde numerosos veciños e veciñas fan garda ante a ameaza de encerramento dos colexios que, segundo resolución do Tribunal Superior de Xusticia de Cataluña, deben realizar os Mossos antes das seis da mañá. O ambiente festivo, compartindo almorzos e ilusións. Os Mossos estiveron antes levantando acta da situación e mantéñense cun coche ás portas do Centre. Moi semellante é a situación na Escola Augusta, na Escola Nausica e no IES Menendez Pelayo, onde moitas persoas, familias enteiras incluídas, pasaron a noite…

OPINIÓN

  • O privilégio branco do atirador “lobo solitario” de Las Vegas

    Domingo à noite, os Estados Unidos vivenciaram o pior massacre da sua história recente. Pelo menos 58 pessoas morreram e mais de 500 ficaram feridas. Não é erro de digitação: um só tiroteiro fez mais de 500 vítimas. Enquanto dezenas de milhares de amantes da música country curtiam um festival nas ruas de Las Vegas,

  • Vergonha na Catalunha

    Há dois dias realizou-se um referendo acerca da independência do Curdistão iraquiano, conduzida pelo governo regional. Bagdad protestou, a Casa Branca tentou convencer os dirigentes curdos a adiar a consulta, mas ela realizou-se. Não houve prisão de governantes regionais, invasão policial, ameaças financeiras ou outras violências — e é uma zona de guerra contra o Daesh, para nem referir os ataques das forças turcas contra as milícias curdas. Apesar do perigo, a população teve o direito de votar

  • Onde está Santiago Maldonado, o primeiro desaparecido da presidência Macri?

    Passam dois meses desde o desaparecimento do jovem ativista solidário com a causa autóctone mapuche. Neste artigo publicado no Libération, Tariq Ali junta-se a vários políticos e intelectuais franceses na exigência do reaparecimento de Santiago Maldonado, são e salvo.

  • A morte da história

    Um dos mais louvados “eventos” da televisão americana, The Vietnam War, arrancou agora na rede PBS. Os directores são Ken Burns e Lynn Novick. Aclamados pelos seus documentários sobre a Guerra Civil, a Grande Depressão e a história do jazz, Burns diz acerca dos seus filmes sobre o Vietname: “Eles inspirarão nosso país a começar a conversar e pensar acerca da guerra do Vietname de um modo inteiramente novo”.

  • Cinco argumentos em favor do plebiscito catalão

    1. Dos doze anos que moro na Catalunha, mesmo quem não é independentista já não aguenta mais escutar a boca dos políticos dizerem, supostamente em meu nome, o que eu mesmo quero dizer. Parem de ficar especulando que a maioria “quer isso ou aquilo”! Deixem-me votar, afinal, e expressar-me, definitivamente. E coletivamente, junto ao povo