.

 

 

A Ação Palestina ocupou nesta segunda-feira, 8 de agosto, a empresa Good Packing Company, que embala, transporta e exporta armas israelenses da fabricante Elbit System, testadas em ataqies ao povo palestino.

Quatro ativistas escalaram o telhado da empresa em protesto contra seus laços com o fabricante de armas mortal, especialmente porque os palestinos em Gaza passaram três dias sob bombardeio israelense.

Ativistas desmantelaram o circuito interno de TV do local, golpearam as janelas com marretas e mancharam o local com tinta, disse um comunicado do grupo. No centro de transporte de armas da  Elbit, as operações foram interrompidas e a bandeira palestina hasteada. O site da empresa faz referência a sua especialização em “embalagens do tipo do Ministério da Defesa” e a distribuidora foi confirmada no fornecimento de embalagens e remessa de nível militar para a Elbit. Incluem-se nisso os drones Hermes 450/900, frequentemente usados ​​em Gaza e produzidos (em parte) na mesma cidade.

Os drones de combate da Elbit respondem por consideráveis ​​85% da frota de drones de Israel. O Hermes 450 foi lançado pela Elbit e tem sido usado em ataques e vigilância em Gaza há anos. “Seu uso devasta a cidade de Gaza, deixando os moradores de Gaza com traumas profundos e ansiedades do terrorismo de Estado israelense”, disse a Ação Palestina em seu comunicado.

Um porta-voz da Ação Palestina pede o fim da “ impunidade para Israel e os  envolvidos nos massacres que todos nós testemunhamos. Se você trabalha com Elbit, estamos trabalhando contra você também. Quando sabemos que nosso próprio governo não fará isso, a responsabilidade é nossa para impor um embargo de armas apoiado pelo povo à ocupação israelense, usando ação direta. É crucial lembrar que em Gaza, o bloqueio econômico durou quinze anos – cada ano marcado por privações e guerra colonial. A violência de Israel é a vida cotidiana para o cidadão médio de Gaza, e por isso é sempre o momento certo para agir diretamente em nome de Gaza e cortar a produção militar na cúmplice Grã-Bretanha. Desvendaremos a indústria de armas israelense da Grã-Bretanha.”

Israel matou 44 palestinos, incluindo 15 crianças e quatro mulheres, nos três dias de sua campanha militar contra Gaza. Mais de 360 ​​palestinos ficaram feridos.