Antissemitismo e a máscara de flandres

Capturado por elites sionistas, conceito é usado para atingir quem denuncia o apartheid israelense e taxar resistência palestina como “terrorista”. Agora, coletivos judaicos dissidentes propõem uma releitura, que pode ser anticolonial e solidária


Caso Erkizia: O Tribunal Europeo dos Dereitos Humanos resolve o debate acerca do enaltecemento do terrorismo – Eric Sanz de Bremond e Daniel Amelang

O caso de Tasio Erkizia, condenado por un delito de enaltecemento do terrorismo en maio de 2011 por un discurso, efectuado en decembro de 2008, chegou ao Tribunal Europeo dos Dereitos Humanos, que publicou na pasada terza-feira o seu fallo. Na Sentenza o Tribunal examina se a condena a Tasio Erkizia polo seu discurso supón unha vulneración do art. 10 do CEDH ou se, pola contra, estamos ante unha inxerencia necesaria nunha sociedade democrática do dereito á liberdade de expresión.


O papel de axentes israelitas no xenocidio político colombiano – Dan Cohen

Entre maio de 1984 e decembro de 2002, o “xenocidio político” na Colombia deixou máis de 6 mil vítimas da Unión Patriótica (asasinatos, desaparicións, torturas, deslocamentos forzados e outras violacións aos dereitos humanos). Cando en 2002 Álvaro Uribe foi elixido presidente, o partido deixara de existir. Segundo unha recente investigación do recoñecido xornalista colombiano Alberto Donadio, o exterminio foi ideado polo sucesor de Betancur, o presidente Virgilio Barco Vargas, executando un plano elaborado por un dos espías máis condecorados na historia israelita, Rafael ‘Rafi’ Eitan.


Guerra às drogas, guerra aos pobres – Gil Luiz Mendes

“Não existe guerra sem inimigo, e o objetivo de qualquer combate é eliminar o inimigo. Só que quando falamos da guerra às drogas esse inimigo foi criado por estereótipos sociais construídos durante os anos. E quem é esse inimigo? É desde sempre aqueles que são diferentes dos que estão no poder. No Brasil são aqueles que estão na periferia”, analisa Roberto Tardelli.


ENTRE O EXTERMÍNIO E A EMANCIPAÇÃO

Colômbia: Um muro na mídia está bloqueando informação sobre o que acontece nessa histórica mobilização – Laura Carlsen

A greve nacional na Colômbia já completa um mês, sua mobilização alcançando proporções históricas para a nação e para a América Latina. Os protestos contra o governo nunca cessam. Esta fase da resistência começou como um grito de protesto contra uma reforma tributária que iria aumentar impostos de produtos básicos e serviços, encarecendo o custo de vida em um país onde o desemprego, a pobreza e a desigualdade estão em níveis sem precedentes. Agora se tornou uma luta entre o extermínio e a emancipação.