A Lama e Teixeiro, o burato negro dos dereitos humanos na Galiza – Eric Dobaño

Teixeiro e A Lama son os dous grandes centros penitenciarios do país nun sistema carcerario que completan as prisións de Bonxe e Monterroso, en Lugo, e a de Pereiro de Aguiar, en Ourense. Bonxe, Monterroso e Pereiro son centros máis pequenos, construídos nos anos oitenta. Teixeiro e A Lama, dispositivos xemelgos dentro dunha nova concepción das cadeas a finais de século, son os dous centros onde hai máis problemas e onde as asociacións de defensa dos dereitos humanos veñen realizando a maioría de accións de denuncia.


OS CRIMES E OS ROSTOS

Crimes de guerra (I) (II) – Nazanin Armanian

Estados, exércitos e a própria sociedade vítima têm tentado esconder ou minimizar as violações nas guerras. Nazanin Armanian analisa essas violações na primeira parte do seu artigo (Crimes de Guerra (I) : A rapariga da blusa preta). Na segunda, a autora tira o pó da definição de crimes de guerra da Convenção de Genebra. “Atos passíveis de serem julgados por lei, a fim de fazer um uso ‘razoável’ da violência e evitar que a guerra, essa sublime barbaridade humana, conduza ao extermínio de comunidades inteiras” (Crimes de guerra (II): De Nanking a Bucha ).


Doze crimes de guerra: de Nanking a Bucha

O que é um crime de guerra? Hoje, com os meios de comunicação europeus e americanos acusando a Rússia de crimes de guerra na cidade ucraniana de Bucha, vamos tirar o pó da definição de crimes de guerra da Convenção de Genebra. Trata-se de uma série de atos passíveis de serem julgados por lei, a fim de fazer um uso “razoável” da violência e evitar que a guerra conduza ao extermínio de comunidades inteiras.


A Humanidade de Occidente. Segundo e Como – Illan Pappé

Europa dá a benvida aos refuxiados brancos, mais aos outros, non. Esta permitido invadir o Iraque, mais non a Ucraína. Á vista dos acontecementos parece que o neonazismo se tornou tolerábel. Bombardear arraña-ceos é un crime de guerra, mais SÓ en Europa. … Estamos obrigados a levantar a voz frente á deshonestidade moral …


Relatório de Amnistia Internacional – Apartheid do Estado de Israel contra palestinianos

O relatório Israel’s Apartheid against Palestinians: Cruel System of Domination and Crime against Humanity (O regime de Apartheid do Estado de Israel contra os palestinianos: Sistema Cruel de Dominação e Crime contra a Humanidade) – documenta como a ocupação em massa de territórios e propriedades palestinianas, as execuções, as deslocações forçadas, as limitações radicais de circulação e a recusa de nacionalidade e cidadania aos palestinianos integram um sistema que equivale a apartheid à luz do direito internacional. Este sistema é mantido através de violações de direitos humanos que a Amnistia Internacional investigou e concluiu serem apartheid enquanto um crime contra a humanidade, tal como definido no Estatuto de Roma e na Convenção Apartheid.