“Cando fecharon os manicomios os cárceres enchéronse de tolos” –
Francisco Miguel Fernández Caparrós

“Cando fecharon os manicomios os cárceres enchéronse de tolos”. Estas palabras son dun preso do cárcere de Albolote e gardan unha estreita relación cunha importante sentenza do Tribunal Constitucional (TC), publicada no pasado 17 de agosto no Boletín Oficial do Estado. A sentenza (STC 84/2018) resolvía un recurso de amparo presentado por J.M.C., quen previamente fora absolvido dos delitos polos que fora acusado por padecer doenza mental, e ao que se impuxo como medida de seguranza o internamento en centro psiquiátrico cun límite máximo de 12 anos.


O 11/Setembro dezoito anos depois – Paul Craig Roberts

Gostaria de perguntar aos leitores se encontraram nos media impressos, televisivos ou na National Public Radio alguma notícia da investigação altamente profissional realizada durante quatro anos acerca do desaparecimento do Edifício 7 do World Trade Center.


O Iémen cada vez pior… – José Manuel Rosendo

Estava confusa a situação no Yemen? Sim, é verdade, mas ficou um pouco pior. O “xadrez” da guerra ganhou novos contornos com a desavença entre parceiros da coligação que combate os Houthi. Há muito se falava dos diferentes interesses dos dois principais parceiros de coligação, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos (EAU), mas agora esse antagonismo ficou evidente.


A Constitución monárquica, un contrato de financiamento que finaliza – Domingo Sanz

Asinaría vostede un contrato de financiamento en que se dixese en letra grande o mesmo que todo o mundo sabe que está escrito na letra pequena? Ou en que aparecesen escritas, nas primeiras cláusulas, unha serie de condicións circunstanciais a favor do banco das que só aparecen disfarzadas polas dobras dun texto cuxa lectura resulta imposíbel de seguir e moi pouco comprensíbel?


A NATO como polícia de opinião – José Goulão

O Centro de Excelência de Comunicação Estratégica da NATO queixa-se da manipulação nas redes sociais. E quando o Centro de Excelência de Comunicação Estratégica da NATO se queixa só há que esperar uma intensificação das acções policiais de censura na internet, com o pretexto de que as redes sociais são incapazes de se regularem a si próprias.