Organizadores esperavam ter meio milhão nas ruas em Hong Kong, mas há protestos em 25 outras cidades espalhadas pelo globo. Nova legislação pode pôr em causa a liberdade de qualquer pessoa que desafie o regime de Pequim.

 

REUTERS/Tyrone Siu

 

Centenas de milhares de pessoas enchem as ruas de Hong Kong, num protesto para tentar impedir a aprovação pela Assembleia Legislativa desta região administrativa especial chinesa de uma lei que facilitará as extradições de suspeitos de crimes para serem julgados na China continental.

Os organizadores esperavam reunir meio milhão de pessoas nas ruas, e foram mobilizados mais de 2000 agentes da polícia para acompanhar a marcha. Espera-se que seja a maior manifestação desde 2003, quando a população se mobilizou contra planos do Governo chinês para impor uma lei de segurança mais restritiva – que acabou por ser posta de lado.

No Twitter, a jornalista Laurel Chor conta que nunca viu uma multidão tão grande. Às 19h (hora local) relatava que conseguia finalmente ver o fim da marcha – levou quatro horas a que todas as pessoas que se concentravam no parque que era o ponto de partida conseguissem sair para a avenida para marchar.

Há protestos marcados para 25 outras cidades em todo o mundo, incluindo Londres, Sydney, Nova Iorque e Chicago. O debate sobre a lei deve começar na quarta-feira, e a expectativa é que a legislação, que se teme que ponha em causa a liberdade de qualquer pessoa que desafie o regime de Pequim, seja aprovada até ao fim do mês.

Público