O presidente George H.W. Bush discursa em rede nacional no Salão Oval, no dia 16 de janeiro de 1991, depois da deflagração da Operação Tempestade no Deserto contra o Iraque.O presidente George H.W. Bush discursa em rede nacional no Salão Oval, no dia 16 de janeiro de 1991, depois da deflagração da Operação Tempestade no Deserto contra o Iraque. Foto: Charles Tasnadi/AP

 

AS HOMENAGENS AO ex-presidente americano George H. W. Bush, que faleceu na última sexta-feira aos 94 anos, têm vindo de todos os lados do espectro político. Ele era um homem “de elevadíssimo caráter”, disse seu filho mais velho e também ex-presidente, George W. Bush. “Ele amava a sua pátria, tendo servido com caráter, elegância e integridade”, tuitou Preet Bharara, ex-promotor público e símbolo do #Resistance, um movimento de oposição a Donald Trump. Segundo outro ex-presidente, Barack Obama, a vida de Bush foi “uma prova de que o serviço público é uma vocação nobre e gratificante. E ele fez um bem tremendo ao longo do caminho”. Tim Cook, presidente-executivo da Apple, sentenciou: “Perdemos um grande americano.”

Em plena era Trump, não é difícil para seus biógrafos pintar Bush pai como um grande patriota e pragmático – um presidente que teria governado com “elegância” e “integridade”. É verdade que o ex-presidente se recusou a votar em Trump em 2016, chamando-o de “fanfarrão”, e manteve distância da chamada alt-right (nova direita branca e nacionalista dos EUA) e da política de complôs que se tornou a marca do Partido Republicano atual. Bush ajudou a pôr fim à Guerra Fria “sem disparar um tiro”, nas palavras de Obama. Ele passou a vida servindo seu país – no exército, no Congresso, na ONU, na CIA e na Casa Branca – e, segundo consta, também foi um avô e bisavô amado por 17 netos e 8 bisnetos.

Entretanto, Bush era uma figura pública – um entre apenas 44 homens que já foram presidentes dos Estados Unidos. Não podemos, portanto, aceitar o embelezamento descarado de sua passagem pela Casa Branca. “Quando um líder político morre, permitir que ele seja apenas elogiado, e nunca criticado, é uma grande irresponsabilidade”, argumenta meu colega Glenn Greenwald, porque isso leva à construção de “uma história falsa” e ao “acobertamento propagandista dos erros cometidos”. A verdade inconveniente é que a presidência de George Herbert Walker Bush tinha muito mais em comum com a direita republicana belicosa e corrupta que o sucedeu – seu filho George W. Bush e o atual mandatário de cara laranja – do que uma parte das classes política e jornalística faz parecer.

Vejamos:

Ele fez uma campanha racista para a presidência. O nome “Willie Horton” deveria estar indelevelmente associado à eleição de Bush para a Casa Branca em 1988. Horton, que cumpria uma pena de prisão perpétua por assassinato em Massachusetts – estado governado pelo adversário democrata de Bush, Michael Dukakis –, aproveitara-se de um indulto de fim de semana para fugir e estuprar uma mulher em Maryland. O famoso anúncio de TV intitulado Weekend Passes (“Indultos de Fim de Semana”, em tradução livre), produzido por um comitê de ação política ligado à campanha de Bush, deixava claro ao telespectador que Horton era negro, e sua vítima, branca.

Lee Atwater, o diretor de campanha de Bush na época, gabou-se: “Quando terminarmos, vai ter gente achando até que Willie Horton é da chapa de Dukakis.” O próprio Bush logo classificou as acusações de racismo de “absolutamente ridículas”, mas era óbvio na época – mesmo para republicanos de direita, como Roger Stone, atual aliado de Trump – que o anúncio havia passado dos limites. “Esse caso vai seguir você e George Bush até a cova”, reclamou Stone com Atwater. “É um anúncio racista. (…) Vocês vão se arrepender”, avisou.

Stone tinha razão quanto a Atwater, que, em seu leito de morte, pediu perdão por ter usado Horton contra Dukakis. Mas Bush nunca se desculpou.

Ele usou argumentos desonestos para ir à guerra. Treze anos antes de que George W. Bush mentisse sobre as armas de destruição em massa iraquianas para justificar a invasão e ocupação do país, seu pai já havia dado declarações falsas para poder bombardear o Iraque. A primeira Guerra do Golfo, como concluiu uma investigação do jornalista Joshua Holland, “foi baseada em uma montanha de propaganda”.

Para começar, Bush disse aos americanos que o Iraque havia invadido o Kuwait “sem provocação ou aviso”. Mas ele esqueceu de mencionar que a embaixadora americana no Iraque, havia praticamente dado sinal verde a Saddam Hussein, dizendo a ele, em julho de 1990, uma semana antes da invasão do Kuwait: “Não temos opinião sobre conflitos entre árabes, como a sua disputa de fronteiras com o Kuwait.”

Depois veio a falsificação de informações de inteligência. Bush enviou tropas americanas para o Golfo em agosto de 1990 sob o pretexto de “prestar assistência ao governo da Arábia Saudita na defesa de seu território”. Mas, como escreveu Scott Peterson no Christian Science Monitor, em 2002: “Com base em supostas imagens de satélite confidenciais, funcionários do Pentágono estimaram (…) em 250 mil o número de soldados e em 1.500 o número de tanques na fronteira, ameaçando o maior fornecedor de petróleo dos EUA.”

Porém, a repórter do St. Petersburg Times Jean Heller obteve acesso a imagens de satélite da fronteira saudita disponibilizadas comercialmente, e elas mostraram apenas o deserto vazio, sem nenhum sinal das tropas iraquianas. “Era uma mentira gravíssima”, disse Heller a Peterson. “Aquilo [a mobilização iraquiana] era a justificativa de Bush para o envio de tropas à região, mas simplesmente não era verdade”, acrescentou.

 

Ele cometeu crimes de guerra. No governo de Bush pai, os EUA jogaram nada menos do que 88.500 toneladas de bombas no Iraque e nos territórios ocupados do Kuwait, muitas das quais causaram terríveis perdas civis. Em fevereiro de 1991, por exemplo, um bombardeio americano contra um abrigo antiaéreo no bairro de Amiriyah, em Bagdá, matou pelo menos 408 civis iraquianos. Segundo um relatório da Human Rights Watch, o Pentágono sabia que o alvo havia sido usado como abrigo para civis durante a guerra Irã-Iraque, mas, mesmo assim, atacou sem avisar. “Uma grave violação das leis da guerra”, conclui o documento.

As bombas americanas também destruíram infraestruturas civis essenciais para o Iraque, de usinas elétricas e estações de tratamento de água a fábricas de alimentos e moinhos. Isso não foi acidental. Barton Gellman, em artigo publicado no Washington Post em junho de 1991, escreveu: “Alguns alvos, principalmente na reta final da guerra, foram bombardeados para aumentar o poder de barganha contra o Iraque depois da guerra, e não para influenciar o conflito em si. Estrategistas agora dizem que o objetivo era destruir ou danificar instalações importantes que só poderiam ser reparadas com ajuda internacional. (…) Por causa disso, muitos dos danos causados a estruturas e interesses civis, invariavelmente classificados como ‘colaterais’ e ‘involuntários’ nos relatórios, não eram nem uma coisa, nem outra.”

Entenderam? O governo Bush atacou alvos civis para poder “barganhar” com Saddam Hussein. Como não chamar isso de terrorismo? Uma equipe de especialistas em saúde pública de Harvard concluiu, em junho de 1991, menos de quatro meses depois do fim da guerra, que a destruição da infraestrutura iraquiana havia causado desnutrição e níveis “epidêmicos” de cólera e febre tifoide na população do país.

Em janeiro de 1992, Beth Osborne Daponte, demógrafa do Departamento do Censo dos Estados Unidos, estimava em 158 mil o número de baixas iraquianas na Guerra do Golfo, incluindo 13 mil civis mortos imediatamente e 70 mil devido aos estragos sofridos pelas usinas de energia e estações de tratamento de água. Os números de Daponte contradiziam as estimativas oficiais do governo, e ela foi ameaçada de demissão por difundir “informações falsas”. (Soa familiar?)

Ele se recusou a colaborar com a Justiça. O caso Irã-Contras, no qual os EUA venderam mísseis em troca da libertação de reféns americanos no Irã e, com o dinheiro da venda, financiaram rebeldes na Nicarágua, foi uma grande mancha no mandato de Ronald Reagan. Apesar disso, pouco se falou do envolvimento do então vice-presidente no escândalo. “Infelizmente, o inquérito criminal contra Bush foi incompleto”, escreveu no relatório final do caso Irã-Contras, em agosto de 1993, o promotor independente Lawrence Walsh, que havia sido vice-procurador-geral do governo Eisenhower.

Por quê? Porque Bush – que “tinha total conhecimento da venda de armas ao Irã”, segundo o promotor independente – não entregou à Justiça um diário “contendo anotações contemporâneas relevantes para o caso” e se recusou a depor nas últimas fases da investigação. Em seus últimos dias como presidente, Bush concedeu o perdão presidencial a seis condenados no caso Irã-Contras. Um deles era o ex-secretário de Defesa Caspar Weinberger, que foi perdoado na véspera de seu julgamento por falso testemunho e obstrução da Justiça. “Foi a primeira vez em que um réu obteve um perdão presidencial em um julgamento no qual o próprio presidente poderia ser chamado para depor, pois Bush tinha conhecimento de fatos inerentes ao caso”, enfatizou Walsh. Irritado, o promotor acusou Bush de “desvio de conduta” e de ter ajudado a “acobertar o caso Irã-Contras”.

Parece um caso trumpiano de obstrução da Justiça, não parece?

 

Um oficial de justiça, à esquerda, mostra uma foto de um suspeito a um homem que, segundo a polícia, fora encontrado usando drogas em um ponto de venda de entorpecentes em Washington, D.C., no dia 18 de julho de 1989. A operação fazia parte da “guerra às drogas” do então presidente dos EUA, George H. W. Bush.Um oficial de justiça, à esquerda, mostra uma foto de um suspeito a um homem que, segundo a polícia, fora encontrado usando drogas em um ponto de venda de entorpecentes em Washington, D.C., no dia 18 de julho de 1989. A operação fazia parte da “guerra às drogas” do então presidente dos EUA, George H. W. Bush. Foto: J. Scott Applewhite/AP

Ele intensificou a guerra racista contra as drogas. Em setembro de 1989, no Salão Oval, em um discurso televisionado para toda a nação, Bush segurava um pacote de crack, que, segundo ele, havia sido “apreendido dias antes em um parque em frente à Casa Branca. (…) Poderia muito bem ter sido um pacote de heroína ou PCP”.

Naquele mesmo mês, contudo, uma investigação do Washington Post revelou que policiais federais haviam “atraído” um traficante para Parque Lafayette para “uma falsa compra de crack em um parque mais conhecido por estar situado em frente à Casa Branca do que pelo tráfico de drogas”. O traficante não sabia onde ficava a Casa Branca e chegou a perguntar o caminho aos policiais. Ardilosamente, Bush usou o pacote de crack como um acessório de cena para pedir um aumento de 1,5 bilhões de dólares no orçamento da guerra às drogas, proclamando: “Precisamos de mais presídios, mais cadeias, mais tribunais, mais promotores.”

resultado? “Milhões de americanos foram encarcerados, centenas de bilhões de dólares foram desperdiçados e permitiu-se que centenas de milhares de seres humanos morressem de aids – tudo em nome de uma ‘guerra às drogas’ que não fez nada para reduzir o uso de entorpecentes”, afirmou Ethan Nadelmann, fundador da Drug Policy Alliance, em 2014. Para ele, Bush “colocou a ideologia e a política acima da ciência e da saúde”. Hoje em dia, até mesmo líderes republicanos como Chris ChristieRand Paul reconhecem que a guerra às drogas, intensificada por Bush pai durante seus quatro anos na Casa Branca, foi um fracasso deplorável e racista.

Ele assediava mulheres. Desde o início do movimento #MeToo, no fim de 2017, pelo menos oito mulheres afirmaram ter sido bolinadas pelo ex-presidente – enquanto posavam para fotos com ele, na maioria dos casos. Uma delas, Roslyn Corrigan, disse à revista Time que Bush a havia apalpado em 2003, quando ela tinha apenas 16 anos. “Eu era uma criança”, contou. O ex-presidente tinha 79. O porta-voz de Bush defendeu seu chefe em outubro de 2017 da seguinte forma: “O presidente Bush está com 93 anos, cinco deles em uma cadeira de rodas, então o braço dele fica abaixo da cintura das pessoas com quem tira fotos.” Mas, como observou a reportagem da Time, “Bush estava em pé quando conheceu Corrigan em 2003”.

Os fatos são importantes. O 41º presidente dos EUA não foi o último republicano moderado nem o representante de uma era imaginária de decência e urbanidade conservadoras. Ele usou o racismo para se promover, obstruiu a Justiça e cometeu crimes de guerra. Ele tinha muito mais em comum com os dois presidentes republicanos que o sucederam do que seus fãs de última hora querem nos fazer crer.

Tradução: Bernardo Tonasse

The Intercept Brasil