Tal como eu tinha prognosticado, caiu a montagem das 9 CDR detidas em outubro passado como supostas terroristas. Já estám todas fora dos cárceres.

 

 

Em 3 de outubro do ano passado, este gajeiro escrevia sua reflexom sobre as 9 detidas por pertencerem aos CDR cataláns, en que aventurava que lhes ia passar o mesminho que às mais de 40 compas anarquistas que, desde finais de 2013, passaram pola Audiência Nacional sob acusaçons de terrorismo (Operaçons Coluna, Pandora I, Piñata, Pandora II, e ICE) e muitas delas sofreram cárcere durante semanas, meses ou anos à espera de julgamento; ao que há que somar centos de pessoas afetadas e preocupadas pola situaçom das compas e uns quantos milhares de euros que houvo que juntar para pagar as elevadas fianças que permitiram que várias compas pudessem esperar seu julgamento fora dos cárceres e um feixe de vivendas particulares, okupas e centros sociais libertários revistados e violentados e muitíssimps pertences confiscados (e muitos nunca devolvidos nem indemnizados).

Nesta sexta feira passada, venres 10 de janeiro, saiam livres as duas últimas pessoas que estavam ainda presas das 9 detidas num início e acusadas de terroristas. Como o resto das compas postas antes em liberdade, estas duas últimas tiveram que pagar uma fiança.

Mas que um juiz español da Audiência Nacional (tribunal político herdeiro do TOP franquista) determine a liberdade provisória de quem está acusada de formar uma perigosa célula terrorista com ánimo de atentar, fai evidente que as provas da montagem nom se substentam por nenhures. Isso sim, já figeram o seu labor mediático, e agora ficará na memôria de muitas interessadas que havia terroristas dentro dos CDR.

E assim é como impunemente o Estado continúa a cumprir sua política do TERROR contra toda pessoa que nom goste de seu governo e proteste.

ASSIM QUE, CARAS AMIGAS, NOM ESQUEZADES QUE…

O Gajeiro na Gávea