A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ/OPCW) não encontrou vestígios da utilização de produtos químicos no alegado ataque cometido por forças sírias em Duma, região de Ghuta Oriental, no dia 7 de Abril de 2018. O relatório da organização, com data de 1 de Março de 2019, sublinha ainda que a missão não conseguiu apurar o número de mortos provocados pelo ataque, “se é que os houve”.

 

As facetas dos Capacetes Brancos: ora como terroristas islâmicos armados; ora no papel de “socorristas” aclamados pelo mainstream

 

Cerca de duas semanas antes da publicação das conclusões da OPCW, o jornalista independente James Harkin, director do Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ), afirmou que as imagens que correram mundo na altura, supostamente captadas nos postos médicos da região, foram “provavelmente” encenadas; o que, por sua vez, confirma as palavras do produtor da BBC, Riam Dalati, segundo as quais “está enjoado e cansado de ver activistas e rebeldes usarem cadáveres de crianças para encenar imagens emotivas para consumo do Ocidente”.

Estes dados vêm engrossar as informações no mesmo sentido divulgadas por alguns jornalistas que estiveram no local pouco depois do suposto ataque, entre os quais Robert Fisk, Vanessa Beeley e Eva Bartlett, do britânico The Independent; Uli Gack, da ZDF alemã; e Pearson Sharp, da OAN – One America News Network.

Pelo que pode afirmar-se, sem qualquer vestígio de dúvida – sobretudo após a publicação do relatório da OPAQ/OPCW, organização galardoada com o Nobel da Paz – que não houve qualquer ataque químico em Duma.

E agora?
Agora, se vivêssemos numa sociedade onde os dirigentes que governam o mundo e a comunicação mainstream que os sustenta se pautassem pela seriedade, a idoneidade e a ética, estaríamos ouvir desculpas, retractações e reposições da verdade.

Ao menos, deveríamos estar a assistir à divulgação do relatório da OPAQ/OPCW com o realce e um destaque idênticos aos que tiveram as imagens do ataque químico que não existiu e que, assim sendo, não se tratou de mais um caso em que “o governo sírio atacou o seu próprio povo”.

Se houvesse decência nos políticos do globalismo, incluindo aqueles que funcionam a escalas domésticas, e respeito pela profissão entre os jornalistas que fabricam a informação dominante, as imagens estariam agora ser repetidas pelos meios que lhes deram repercussão universal, mas como exemplos de notícias faltas ou fake news; e os profissionais que vasculharam a verdade até conseguirem trazê-la à superfície, que continuam a alertar para o facto de esta operação não ter sido a única no género e outras estarem em preparação deveriam, no mínimo, deixar de ser ostensivamente acusados de ser “teóricos da conspiração”.

Recordando Duma

A luta por Duma foi um episódio exemplar no processo de libertação da região síria de Ghuta Oriental do poder cruel de grupos terroristas islâmicos como o Jaish al-Islam, associado à al-Qaida.

Exemplar porque permitiu desvendar a estratégia de propaganda que serve de suporte à agressão internacional contra a Síria, conduzida pelos Estados Unidos, a NATO e a União Europeia, através dos seus braços terroristas islâmicos. E permitiu desmontar, a propósito destes grupos, o papel provocatório assumido pelas chamadas “Forças de Defesa Síria” ou Capacetes Brancos – ao mesmo tempo organização terrorista e de “socorro humanitário” criada pelos serviços secretos britânicos e aclamada através da atribuição de um Oscar de Hollywood. Organização esta que, comprovadamente, se dedica à encenação de “ataques químicos” atribuídos ao governo sírio – usando, para o efeito, produtoras cinematográficas, entre elas a britânica Olive.

Para se ter ideia da extraordinária importância que tem a recente divulgação do relatório da OPAQ/OPCW é essencial recordar alguns dados factuais relacionados com os acontecimentos desses dias de Abril de 2018, na altura em que Duma estava em poder dos terroristas do Jaish al-Islam.

Quando as imagens do suposto ataque químico começaram a correr mundo, como prova de que o governo sírio “ataca o seu próprio povo”, Damasco desmentiu a acusação – mas de nada serviu.

O Departamento de Estado norte-americano não se limitou a afirmar-se seguro de que tinham sido utilizadas armas químicas: chegou a identificar um dos agentes como gás sarin.

O presidente francês, Emmanuel Macron, revelou ao mundo que tinha “provas de que foram usadas armas químicas”. Fiel à permanente guerra de propaganda de Londres contra Moscovo, o então chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson, qualificou como “grotesco” o parecer de especialistas russos enviados ao local e que não detectaram vestígios de produtos químicos. E a primeira-ministra, Theresa May, asseverou que se tratava “de um genocídio”.

A embaixadora dos Estados Unidos na NATO, Kay Hutchinson, foi um pouco mais além e declarou que uma resposta, através de “punição militar”, não era de excluir.

Entretanto, os megafones mainstream passavam e voltavam a passar as imagens de socorro “às vítimas”, apenas não conseguindo unanimidade quanto ao número de mortos: 48, segundo os Capacetes Brancos; 70, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, entidade com sede em Londres, também controlada pelos serviços secretos britânicos; e uma centena, segundo o Jaish al-Islam.

Agindo em conformidade, como executantes da sumária justiça globalista, aviões e navios de guerra norte-americanos, franceses e britânicos lançaram, em 14 de Abril, mais de cem mísseis de cruzeiro contra a Síria tendo como objectivo declarado “atingir o programa químico do regime”. Uma espécie de réplica, tudo o indica, das célebres “armas de destruição massiva” que estariam em poder de Saddam Hussein e detonaram uma guerra que vai completar 16 anos nos próximos dias.

O que revela agora a OPCW no relatório que acaba de publicar, após um ano de trabalho?

Que não encontrou qualquer traço de armas químicas em Duma; que os terroristas do Jaish al-Islam não permitiram aos investigadores examinar os cadáveres das alegadas vítimas; que ignora o número de mortos, “se é que os houve”; que o Jaish al-Islam manteve a missão da OPCW à margem enquanto os corpos eram queimados. Um ritual absurdo, tratando-se de fundamentalistas islâmicos, inimigos da cremação.

A falsificação como metodologia

A falsificação e encenação de “ataques químicos” é uma metodologia de propaganda que acompanha política e mediaticamente a guerra contra a Síria.

São recorrentes as informações sobre os preparativos de novas encenações previstas, por exemplo, em Idleb, o último bastião em poder dos terroristas islâmicos na Síria.

Os preparativos envolvem, habitualmente, a movimentação de recipientes com produtos químicos, a mobilização de equipas de algumas das maiores cadeias internacionais de televisão e até o rapto de crianças e o respectivo treino para simulação de sintomas associados à inalação de gases tóxicos.

Muitos destes dados têm vindo a ser denunciados previamente, a partir de agências de informação sírias ou mesmo de meios militares e diplomáticos russos no terreno, o que, previsivelmente, tem dissuadido os Capacetes Brancos de levarem por diante algumas das operações programadas. Isso não significa um abandono da estratégia, que pode reaparecer a qualquer momento, devido à inegável vantagem dos efeitos alcançados sobre as denúncias feitas. A situação de Idleb é crítica por ser o último bastião terrorista e, por isso, ainda um trunfo para a estratégia de comando anglo-saxónico e francês.

O caso de Duma agora desmontado não foi, aliás, o primeiro registo de uma encenação deste tipo.

Riam Dalati, o produtor da BBC que se diz “enjoado e cansado” de ver utilizar cadáveres de crianças em encenações, parece ter razões para isso. Ele próprio fez parte da equipa de produção do documentário “Saving Syrian’s Children” para o programa Panorama BBC, em Setembro de 2013.

Este documentário foi objecto de uma investigação forense pelo especialista independente Robert Stuart, que concluiu o seguinte: “sequências filmadas pelo pessoal da BBC e outros no hospital de Atareb, Alepo, em 26 de Agosto de 2013, mostrando a situação depois de um ataque com bombas incendiárias perto de uma escola, são em grande parte, se não totalmente, encenadas”.

No entanto, o documentário em nada foi desvalorizado por esta denúncia em relação aos seus objectivos originais: desacreditar e incriminar o governo legítimo da Síria.

Tal como em Duma ou em qualquer outro lugar, os meios de repercussão da mentira são incomensuravelmente mais fortes do que as reposições da verdade. O que acontece também porque os fabricantes e mensageiros das falsificações há muito que perderam a vergonha e espezinharam os princípios, se é que alguma vez os tiveram.
Vivemos, pois, num mundo em que também o triunfo da mentira é global.

José Goulão

O Lado Oculto