§Centenas de trabalhadores das duas empresas tecnológicas assinaram uma carta em conjunto onde condenam a decisão de fornecer serviços ao governo de Israel e apelam ao apoio da comunidade internacional.
.
.

 

Numa carta anónima publicada no jornal britânico The Guardiantrabalhadores das gigantes tecnológicas norte-americanas Google e Amazon manifestaram-se contra o Projecto Nimbus, um contrato de venda de produtos tecnológicos assinado entre as empresas e o governo de Israel.

“Nós acreditamos que a tecnologia que criamos deve ser usada para servir e elevar as pessoas em todo o lado. Como os trabalhadores que mantém estas empresas a trabalhar, somos moralmente obrigados a falar contra violações dos nossos valores“, começa a carta, que já foi assinada internamente por 90 trabalhadores na Google e 300 na Amazon. Os funcionários mantêm-se anónimos por temerem retaliações.

Os trabalhadores referem que já há anos que têm visto as empresas a procurar contratos com o Departamento de Defesa dos EUA, o ICE (a polícia que patrulha a fronteira americana com o México e que aplicava a política de separação de crianças nos centros de detenção) e departamentos locais e estaduais de polícia.

“Estes contratos mostram um padrão perturbador de militarização, falta de transparência e fuga à supervisão”, criticam. No seguimento deste padrão, as empresas assinaram recente o Projecto Nimbus para a “venda de tecnologia perigosa com o exército e governo israelitas” na mesma semana em que Israel “atacou palestinianos na Faixa de Gaza”, tendo matado quase 250 pessoas, “incluindo mais de 60 crianças”.

O Projecto Numbus é um contrato assinado entre a Google e a Amazon e o governo israelita avaliado em 1.2 mil milhões de dólares para o fornecimento de serviços de cloud, que os trabalhadores consideram que vão ser usados para “mais vigilância e recolha de dados ilegais de palestinianos” e para aumentar ainda mais o domínio dos colonatos israelitas no território que é legalmente da Palestina.

Os funcionários dizem que não podem ignorar a situação ao verem os produtos que criam a ser usados “para negar os direitos básicos aos palestinianos” por um governo que está a ser investigado internacionalmente por cometer crimes de guerra.

“Condenamos a decisão da Amazon e da Google de assinar o contrato do Projecto Nimbus com o exército e governo israelitas e pedimos-lhes que rejeitem este e futuros contratos que vão prejudicar os nossos utilizadores. Apelamos aos trabalhadores na área da tecnologia a nível global e à comunidade internacional que se junte a nós na criação de um mundo onde a tecnologia promove a segurança e dignidade de todos”, concluem.

aeiou