O mundo ocidental tem uma opinião muito elevada de si mesmo e seus supostos valores, mas o seu tratamento ao fundador da WikiLeaks – Julian Assange – torna tudo uma mentira.

Verdade. Justiça. Liberdade. Democracia. Somos ensinados desde tenra idade que estes são os valores sagrados que a nossa sociedade defende com a máxima reverência e que temos muita sorte em termos nascido numa parte do mundo que detém essa virtude.

Vê-se esta rectidão arrogante surgir numa base diária nos círculos de maior influência da terra, na maneira como os presidentes dos EUA ainda nestes dias são mencionados como “líderes do mundo livre”, ao secretário de Estado americano Tony Blinken balbuciando recentemente sobre “valores partilhados” da “ordem baseada em regras livres e abertas”, ao manipulador do Magnitsky Act Bill Browder referir-se recentemente à aliança de poder centralizada nos EUA como “o mundo civilizado” , numa tentativa de acertar o passo da Austrália, com o resto do escrutínio do império em relação à China.

“A Austrália está sobre pressão para passar a sua própria versão do Magnitsky Act, depois de ter falhado em juntar-se ao mundo civilizado na sanção dos oficiais chineses sobre os campos de concentração dos Uigures” https://t.co/H0c7J4En4b
— Bill Browder (@Billbrowder) April 3, 2021

Tudo isto é um disparate. Tudo isto é falso. Tudo o que o mundo ocidental acredita acerca de si mesmo e seus valores é invalidado pelo seu tratamento a Julian Assange.

O MUNDO OCIDENTAL NÃO VALORIZA A VERDADE.

Se o mundo ocidental valorizasse a verdade, não haveria um jornalista a definhar na Prisão de Belmarsh por a publicar.

11 anos atrás, neste dia, a WikiLeaks publicou Dano Colateral. Foi um momento de definição na nossa compreensão da guerra do Iraque. O publicador, Julian Assange, enfrenta uma sentença de 175 anos por publicar provas desses crimes, abusos do governo e corrupção.
collateralmurder.wikileaks.org

Julian Assange está na prisão inteiramente por causa das suas publicações autênticas das fugas Manning de 2010. Ele permanece encarcerado por nenhuma outra razão, senão os esforços da administração Biden em recorrer da rejeição do tribunal britânico sobre o pedido de extradição para o julgar nos EUA por essas publicações completamente verdadeiras.

Se o mundo ocidental valorizasse a verdade, Julian Assange seria livre. Ele nunca teria sido aprisionado logo à partida. Ele seria um herói celebrado.

O MUNDO OCIDENTAL NãO VALORIZA A JUSTIÇA.

“Junta-te aos nossos protestos em 11 de Abril de 2021, assinalando dois anos de Assange na HMP de Belmarsh ” https://t.co/kY0t22k4aQ via @greekemmy
Rotkehlchen (@Buche1789) April 5, 2021

Se o mundo ocidental valorizasse a justiça, Julian Assange não teria sido forçado a uma detenção arbitrária durante anos, tentando evitar uma conhecida (e assim, provada ) campanha para o extraditar para os EUA. Ele não teria sido arrastado para fora da embaixada do Equador à força, e não teria sido então aprisionado por mais dois anos adicionais (e a aumentar). Ele não teria suportado um julgamento de espectáculo kafkiano , culminando com a juiza afirmando que ele estava mentalmente incapacitado , mas mantendo-o ainda assim fechado em Belmarsh, com uma extradição para os EUA em suspenso, um país onde não tem qualquer hipótese de um julgamento justo e seria completamente silenciado e desapareceria sob as Medidas Especiais da Administração Americana.

O MUNDO OCIDENTAL NÃO VALORIZA A LIBERDADE.

Este antigo advogado da NSA acha que os jornalistas deviam ser acusados por receberem informação confidencial. Cita Assange como precedente. Isso enviaria um par de dúzia de repórteres “natsec” para a cadeia no primeiro dia.

Se o mundo ocidental valorizasse a liberdade, não colocaria gravemente em perigo a liberdades de imprensa pelo mundo afora , fazendo um exemplo público do que acontece a um jornalista vencedor de prémios que revela verdades inconvenientes sobre o império e não trabalharia para fortalecer um precedente legal, o qual alguns imperialistas argumentam que já foi estabelecido para futura acusação de imprensa desobediente.

O MUNDO OCIDENTAL NÃO VALORIZA A DEMOCRACIA.

A Humanidade está a tomar uma decisão muito importante no que diz respeito a Assange

“Está-nos a ser colocada aqui, colectivamente, uma questão, e a nossa resposta a essa questão, determinará todo o rumo que tomaremos como espécie.” January 23, 2020

Se o mundo ocidental valorizasse a democracia, não estaria a perseguir um jornalista por este estar a tentar criar uma população votante mais informada. Sem uma população informada, a democracia não tem uma existência real. Enquanto a percepção pública está a ser manipulada e obscurecida pelo secretismo do governo e propaganda, então as pessoas não estão a registar os seus votos baseadas numa percepção clara e educada da realidade, estão a votar baseadas na conveniência dos poderosos.
February 1, 2021

informa : A confiança da democracia numa população votante informada é a única razão pela qual a imprensa é a única profissão explicitamente nomeada e protegida na Constituição Americana, ainda assim, um membro da imprensa está a ser perseguido por tentar fazer exactamente isso.

O MUNDO OCIDENTAL NÃO SE OPÕE À OPRESSÃO TIRÂNICA DE DISSIDENTES POLÍTICOS.

Duas revelações bombásticas relacionadas na sequência da audiência de hoje:

1- Acusadores americanos argumentam que a Primeira Emenda não se aplica a jornalistas estrangeiros;

2- Julian Assange estará sob Medidas Administrativas Especiais se for extraditado.

Se o mundo ocidental se opusesse à supressão tirânica de dissidentes políticos, não estaria a punir um jornalista por embaraçar o governo mais poderoso na terra.

O MUNDO OCIDENTAL NÃO SE OPÕE À TORTURA DE DISSIDENTES POLÍTICOS.

Como o caso Julian Assange foi “costurado” pelo corrupto estado sueco, Inglaterra e EUA. Leia esta entrevista com o Relator Especial da ONU em tortura, Nils Melzer. É uma lição para qualquer jornalista que desafie o poder e porque Assange deve ser libertado.

Se o mundo ocidental se opusesse à tortura de dissidentes políticos, o Relator Especial da ONU sobre tortura Nils Melzer não teria encontrado Assange mostrando sinais de tortura psicológica e não estariam a trabalhar para o enviar para um sistema prisional torturante.

Melzer relata:

“O caso cai sob a minha jurisdição de três maneiras: primeiro, Assange publicou provas de tortura sistemática. Mas em vez daqueles responsáveis pela tortura, é Assange que está a ser perseguido. Segundo, ele mesmo tem sido maltratado ao ponto de agora exibir sintomas de tortura psicológica. E terceiro, ele está para ser extraditado para um país que prende pessoas como ele em condições prisionais que a Amnistia Internacional tem descrito como tortura. Resumindo: Julian Assange revelou tortura, ele próprio tem sido torturado e pode ser torturado até à morte nos EUA.”

O mundo ocidental simula valorizar verdade, justiça e liberdade e opôr-se à tirania e opressão, mas se olharmos sobre como esse mesmo mundo ocidental tem tratado um jornalista cujo único “crime” provado é publicar verdades inconvenientes sobre os poderosos, vemos que isto é mentira.

Nós acreditamos que a nossa sociedade defende valores nobres porque é isso que fomos treinados para acreditar pelos nossos sistemas escolares e pelos nossos media, mas esses mesmo sistemas de informação também nos treinaram para aceitar um modelo de governação em que um jornalista está a ser punido por contar a verdade.

Mentiram-nos.

Fomos enganados.

Assange provou isto para além de qualquer dúvida. Com as suas publicações, sim, mas primeiro e acima de tudo, com a brutal e tirânica resposta a essas publicações.

Todos estamos em grande dívida para com ele, por expor a mentira do mundo ocidental.

06/Abril/2021
Caitlin Johnstone


O original encontra-se em caitlinjohnstone.com/…

Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .